Início A Realidade: paisagens e olhares A PAISAGEM HUMANA

A PAISAGEM HUMANA

(Capítulo IV do livro A Paisagem Interna)

 

Se até uma estrela longínqua está ligada a ti, que devo pensar de uma paisagem vivente, na qual os veados se esquivam das árvores velhas e os animais mais  selvagens lambem seus filhotes suavemente? Que devo pensar da paisagem humana, na qual convivendo a opulência e a miséria, algumas crianças riem e outras não encontram forças para expressar seu pranto?

 

1. Porque se dizes: "Chegamos a outros planetas", deves declarar também: "Massacramos e escravizamos povos inteiros, superlotamos os cárceres com pessoas que pediam liberdade, mentimos desde o amanhecer até à noite... Falseamos nosso pensamento, nosso afeto, nossa ação. Atentamos contra a vida a cada passo, porque criamos sofrimento".

 

 

2. Nesta paisagem humana conheço meu caminho. Que acontecerá se nos cruzarmos em direção oposta? Eu renuncio a todo bando que proclame um ideal mais alto do que a vida e a toda a causa que, para impor-se, gere sofrimento. Por isso, antes de acusar-me por não fazer parte de facções, examina tuas mãos, que nelas não descubras o sangue dos cúmplices. Se creres que é valente comprometer-se com aquelas, que dirás desse a quem todos os bandos assassinos acusam de não comprometer-se? Quero uma causa digna da paisagem humana: a que se compromete a superar a dor e o sofrimento.

 

3. Nego todo o direito à acusação que provenha de um bando em cuja história (recente ou antiga) figure a supressão da vida.

 

4. Nego todo o direito à suspeita que provenha daqueles que ocultam os seus rostos suspeitos.

 

5. Nego todo o direito a bloquear os novos caminhos que o ser humano necessita percorrer, mesmo que se coloque como máximo argumento a urgência atual.

 

6. Nem mesmo o pior dos criminosos me é estranho. E se o reconheço na paisagem, reconheço-o em mim. Assim é que quero superar aquilo que em mim e em todo o homem luta para suprimir a vida. Quero superar o abismo!

 

 Todo o mundo a que aspiras, toda a justiça que reivindicas, todo o amor que buscas, todo ser humano que quiseres seguir ou destruir, também estão em ti. Tudo o que mudar em ti, mudará a tua orientação na paisagem em que vives. De maneira que se necessitas de algo novo, deverás superar o velho que domina em teu interior.

 E como farás isso?

 Começarás por perceber que ainda que mudes de lugar, levas contigo a tua paisagem interna.

© 2018 Movimento Humanista - Internacional This is a free Joomla-Template from funky-visions.de

AS VIRTUDES

No momento atual, na vida social e pessoal, tende-se a enfatizar as dificuldades e o negativo de si mesmo e das pessoas que se relacionam com a gente.
Esta visão degradante de si mesmo gera uma atitude, uma forma de sentir e de viver muito particular, cujo resultado a curto ou médio prazo resultará negativo.
Não negamos que exista um grande número de dificuldades às que nos enfrentamos dia após dia. Mas é muito importante reconhecer que esta maneira de enfrentá-las é conseqüência de um sistema desumano que hoje se impõe e que tende a negativizar as pessoas.


Podemos repetir mecanicamente esta atitude, ou descobrir e fortalecer um modo de viver, pensar e sentir diferente, que se apóie no mais interessante de cada um. Que se apóie nas próprias virtudes.


Entendemos por virtude toda atitude que, levada à ação, nos põe em acordo com nós mesmos, independentemente de nossa habilidade para realizá-la, nos deixando um registro de profunda paz.


Se lembrarmos estas situações, veremos que possivelmente não só estarão ligadas a certas ações, mas a um modo de realizá-las no qual atuamos desde o melhor de cada um.


Se reconhecermos estas atitudes, se conseguimos tingir nosso diário acionar com este modo de fazer as coisas, reconheceremos não só nossas virtudes, mas também as dos demais, e certamente poderemos saltar por cima das dificuldades, modificar situações, e assim alcançar os objetivos de vida propostos.


Em todo caso, realizar uma lista das próprias virtudes (sejam estas atitudes, modos de comportamento, habilidades, atividades, etc.), e depois imaginar como se poderia potencializar ao máximo sua aplicação no mundo, resulta em um trabalho de muita importância para a própria vida e para a dos demais.


Este modo de fazer e sentir as coisas, este posicionamento frente à vida baseado nas próprias virtudes, deveria colocar-se em marcha desde agora. É a atitude que permite resolver dificuldades, avançar e construir em uma direção de vida coerente e positiva.