Início Esquema e Aparatos Níveis de consciência

Níveis de consciência

A consciência pode encontrar-se imersa em pleno sono, em semi-sono, ou em vigília, e também em momentos intermediários ou de transição. Há gradações entre os níveis de consciência, não diferenças taxativas. Falar de níveis é falar de diferentes operações e do registro dessas operações. É graças a esse registro que pode distinguir-se entre diferentes níveis de consciência, e não é possível ter registro dos níveis como se estes fossem âmbitos vazios.


Pode-se afirmar que os diferentes níveis de consciência cumprem com a função de compensar estruturadamente ao mundo (entendendo por "mundo" à massa de percepções, representações, etc., que têm sua origem nos estímulos do meio externo e interno). Não se trata simplesmente de que se dêem respostas, mas de que se dão respostas compensatórias estruturais. Essas respostas são compensações para restabelecer o equilíbrio, nessa relação instável que é a relação consciência – mundo ou psiquismo - meio. Quando vai ficando energia livre do trabalho que se faz no funcionamento vegetativo, os níveis vão ascendendo porque vão recebendo a energia que os abastece.

 

Sono profundo


Neste nível, o trabalho dos sentidos externos é mínimo, não há outra informação do meio externo que aquela que supera o umbral que põe o próprio sono. O trabalho do sentido sinestésico é predominante, contribuindo com impulsos que são traduzidos e transformados pelo trabalho dos mecanismos associativos dando lugar ao surgimento das imagens oníricas. A característica essencial das imagens neste nível é seu grande poder de sugestibilidade. O tempo psicológico e o espaço se encontram modificados com relação à vigília, e a estrutura ato-objeto aparece freqüentemente sem correspondência entre seus elementos. Do mesmo modo, "climas" emotivos e imagens costumam se independizar entre si. É típico o desaparecimento dos mecanismos críticos e auto-críticos que a partir deste nível vão aumentando no seu trabalho à medida que aumenta o nível de consciência. A inércia dos níveis e o âmbito formal próprio que estes colocam, fazem com que a mobilidade e a passagem de um para outro se faça paulatinamente; (assim, a saída e a entrada ao sono se farão passando pelo semi-sono). O tom deste nível é igual que o dos demais: pode ir de um estado ativo a outro passivo e também podem apresentar-se estados de alteração. O sono passivo é sem imagens, enquanto o ativo é com imagens.


Semi-sono


Neste nível, que antecede à vigília, os sentidos externos começam a enviar informação à consciência, informação que não é totalmente estruturada porque há também interferência de devaneios e presença de sensações internas. Os conteúdos do sonho perdem poder sugestivo quando aparecem, devido à semi-percepção vigílica que dá novos parâmetros. A sugestibilidade segue atuando, sobretudo no caso de algumas imagens muito vívidas (chamadas "hipnagógicas"), que têm grande força. Por outra parte, reaparece o sistema de devaneios freqüentes, que pode minguar em vigília e desaparecer no sono. É neste nível onde o núcleo de devaneio e os devaneios secundários são mais facilmente registráveis, pelo menos nos seus climas e tensões básicos. O modo de devaneio próprio deste nível se costuma transladar por inércia à vigília, proporcionando a matéria prima para a divagação, mesmo que nesta também apareçam elementos de percepção vigílica. O coordenador neste âmbito pode já realizar algumas operações. Mencionemos também que este nível é sumamente instável e por isso de fácil desequilíbrio e alteração. Também encontramos os estados de semi-sono passivo e ativo; o primeiro deles oferece uma passagem fácil ao sono; o outro o oferece à vigília.

 

Vigília


Aqui os sentidos externos aportam um maior caudal de informação, regulando por inibição aos sentidos internos e possibilitando que o coordenador se oriente ao mundo no trabalho do psiquismo de compensação ao meio. Funcionam aqui os mecanismos de abstração e os mecanismos críticos e autocríticos, chegando a altos graus de manifestação e intervenção nas tarefas de coordenação e registro. Os mecanismos de reversibilidade, dos que nos níveis anteriores se tinha mínima manifestação, podem aqui operar amplamente permitindo ao coordenador equilibrar os meios interno e externo. A sugestibilidade nos contidos vigílicos diminui ao aumentar os pontos de referência. Há um tom de vigília ativa que pode ser atenta, com máximo uso da apercepção, ou um tom de vigília alterada. Neste último caso aparece a divagação silenciosa e os devaneios mais ou menos fixados.

Notas Internacionais


Warning: file_put_contents(/home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/cache/ac6a2179a742ed1b110d61ed2a000aec.spc) [function.file-put-contents]: failed to open stream: Permission denied in /home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/libraries/simplepie/simplepie.php on line 7219

Warning: /home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/cache/ac6a2179a742ed1b110d61ed2a000aec.spc is not writeable in /home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/libraries/simplepie/simplepie.php on line 1511
© 2017 Movimento Humanista - Internacional This is a free Joomla-Template from funky-visions.de

AS VIRTUDES

No momento atual, na vida social e pessoal, tende-se a enfatizar as dificuldades e o negativo de si mesmo e das pessoas que se relacionam com a gente.
Esta visão degradante de si mesmo gera uma atitude, uma forma de sentir e de viver muito particular, cujo resultado a curto ou médio prazo resultará negativo.
Não negamos que exista um grande número de dificuldades às que nos enfrentamos dia após dia. Mas é muito importante reconhecer que esta maneira de enfrentá-las é conseqüência de um sistema desumano que hoje se impõe e que tende a negativizar as pessoas.


Podemos repetir mecanicamente esta atitude, ou descobrir e fortalecer um modo de viver, pensar e sentir diferente, que se apóie no mais interessante de cada um. Que se apóie nas próprias virtudes.


Entendemos por virtude toda atitude que, levada à ação, nos põe em acordo com nós mesmos, independentemente de nossa habilidade para realizá-la, nos deixando um registro de profunda paz.


Se lembrarmos estas situações, veremos que possivelmente não só estarão ligadas a certas ações, mas a um modo de realizá-las no qual atuamos desde o melhor de cada um.


Se reconhecermos estas atitudes, se conseguimos tingir nosso diário acionar com este modo de fazer as coisas, reconheceremos não só nossas virtudes, mas também as dos demais, e certamente poderemos saltar por cima das dificuldades, modificar situações, e assim alcançar os objetivos de vida propostos.


Em todo caso, realizar uma lista das próprias virtudes (sejam estas atitudes, modos de comportamento, habilidades, atividades, etc.), e depois imaginar como se poderia potencializar ao máximo sua aplicação no mundo, resulta em um trabalho de muita importância para a própria vida e para a dos demais.


Este modo de fazer e sentir as coisas, este posicionamento frente à vida baseado nas próprias virtudes, deveria colocar-se em marcha desde agora. É a atitude que permite resolver dificuldades, avançar e construir em uma direção de vida coerente e positiva.