Início Reorganização do Movimento Notas referidas à reestruturação do Movimento Humanista

Notas referidas à reestruturação do Movimento Humanista

 

Não estamos eliminando o Movimento Humanista, estamos fazendo uma reestruturação, como tem sido habitual em nosso processo, conforme as necessidades do momento.

 

O Movimento, como concepção, inclui tudo (organismos e frentes de ação).

 

Toda pessoa que entra em um organismo, por esse fato já é do Movimento. Este constitui o âmbito de convergência e intercâmbio dos membros dos diversos organismos.

 

O Movimento em si não conta com nenhuma orgânica: conselhos, níveis, funções (orientadores, apoios e administrativos), coletas ou atividades planejadas. Dessa maneira, desaparece a dupla orgânica, eliminando-as subreposições.

 

As atividades realizadas dependerão unicamente da livre iniciativa das pessoas que participam do MH.

 

Interessa-nos estimular a participação em todos os organismos, mas pode-se participar somente do Movimento, sem aplicar-se a nenhum organismo existente.

 

O mais importante é que aqueles que participam de um organismo tenham um real compromisso interno com ele. E quem não participa de um organismo, é bom que não tente influir nele.

 

Alguns aparatos poderiam ficar atuando a partir do Movimento, sem participar de nenhum organismo, como por exemplo a agência Pressenza, alguma editora ou produtoras de vídeos, assim como aqueles que se ocupam do website do Movimento com links para os organismos. Também é recomendável que se mantenha até janeiro a função desempenhada pelo Coordenador General Delegado que, além do mais, coordena a Equipe Internacional da Marcha Mundial.

 

Para não afetar as atividades da Marcha Mundial, essa função poderia criar a partir de setembro uma nova lista internacional da MM aberta a todos os interessados, independentemente do organismo em que estejam localizados. Também nos países poderiam ser criadas listas nacionais similares. Essas listas cumpririam principalmente com a função de fazer circular toda a informação relacionada à Marcha Mundial.

 

Essa lista permitirá substituir as listas existentes referidas à orgânica anterior do MH (listas de conselhos, setores, coordenadoras e assembléia). Sugere-se não eliminar nenhuma das listas existentes até que as listas dos organismos estejam funcionando. Para isso, podemos nos dar o prazo de um mês.

Propomos, também, a criação de um website mundial que contenha os documentos básicos do MH em vários idiomas e os links para os sites mundiais de cada um dos 5 organismos.

 

Os porta-vozes continuarão com suas funções até 2 de janeiro e manterão sua lista de contato para “sintonizar” as declarações e opiniões emitidas com relação à MM.

 

Para gerar uma boa nova condição de origem, é oportuno que as Equipes ou Juntas Promotoras comecem a funcionar o quanto antes. Estamos falando de uma implementação imediata da nova etapa.

 

Movimento Humanista, Setembro de 2009.

Notas Internacionais


Warning: file_put_contents(/home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/cache/ac6a2179a742ed1b110d61ed2a000aec.spc) [function.file-put-contents]: failed to open stream: Permission denied in /home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/libraries/simplepie/simplepie.php on line 7219

Warning: /home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/cache/ac6a2179a742ed1b110d61ed2a000aec.spc is not writeable in /home/httpd/vhosts/movimentohumanista.org/httpdocs/libraries/simplepie/simplepie.php on line 1511
© 2018 Movimento Humanista - Internacional This is a free Joomla-Template from funky-visions.de

A VERDADEIRA SOLIDARIEDADE

Consideremos estas idéias: “Onde há sofrimento e posso fazer algo para aliviá-lo, tomo a iniciativa. Onde não posso fazer nada, sigo meu caminho alegremente”.
Semelhantes idéias parecem práticas, mas nos deixam o sabor de falta de solidariedade. Como seguir em frente alegremente deixando para trás o sofrimento, desentendendo-nos do pesar alheio?


Vejamos um exemplo. No meio da calçada, um homem cai em violentas convulsões. Os transeuntes se concentram, dando instruções contraditórias e criando ao redor do doente um cerco asfixiante. Muitos se preocupam, mas não são efetivos. Talvez quem chame urgentemente ao médico, ou aquele outro que põe a raia aos curiosos para evitar o aglomeramento, sejam os mais ajuizados. Eu posso ser um dos que tomam a iniciativa, ou talvez um terceiro que consegue algo positivo e prático em tal situação. Mas se atuo por simples solidariedade criando confusão, ou obstaculizando aos que podem fazer algo prático, não ajudo, e sim prejudico.


O anterior é compreensível, mas que quer dizer: “…Onde não posso fazer nada, sigo meu caminho alegremente”? Não quer dizer que estou muito contente por isso que sucedeu. Quer dizer que minha direção não deve ser entorpecida pelo inevitável; quer dizer que não devo somar problemas aos problemas; quer dizer que devo positivizar o futuro, já que o oposto não é bom para outros nem para mim.


Há pessoas que, com uma mal entendida solidariedade, negativizam quem quer ajudar e prejudicam a elas mesmas. Essas são diminuições da solidariedade, porque a energia perdida nesse comportamento deveria haver-se aplicado em outra direção, em outras pessoas, em outras situações nas quais efetivamente tivesse obtido resultados práticos. Quando falamos de resultados práticos, não nos referimos somente ao brutalmente material, porque até um sorriso ou uma palavra de encorajamento podem ser úteis se existe uma possibilidade de que ajudem.